Expressão muito alentejana que significa "basta" ou "já chega". Espaço de liberdade. Galeria de arte pública.

.Ultimamente...

. Se quiserem...

. O verdadeiro amigo está s...

. Onde pára esta sangria?

. Pequim(ninos)

. No fundo, no fundo...

.Sótão

Sábado, 27 de Março de 2004

Quem cá esteve ontem

sg_633.jpg

Quem nos visitou ontem foi o Sérgio Godinho. Proporcionou a quem resistiu ao frio da noite para o ir ver, muito boa música e muitos boas palavras.

Não sendo um cantor de massas, tem seguidores fìéis e esses, gostam cada vez mais dele. Artista camaleão (não por mudar de roupa), tem sabido sempre transformar a sua música recusando-se a ser um consagrado que não muda. A sua irrequietude obriga-o a mudar e ontem apresentou-se em palco com uma mão cheia de músicos jovens a quem entregou os arranjos das suas canções. O resultado brilhou e justificou porque nos seus concertos encontramos sempre gentes de tantas idades.

É também um poeta, autor de belos poemas (muitos deles com 20-30 anos e ainda actuais), derrete-nos com as suas melodias e desinquieta-nos com as suas letras.
Obrigado, Sérgio. Bela noite!

"Emboscadas

Foste como quem me armasse uma emboscada
ao sentir-me desatento
dando aquilo em que me dei
foste como quem me urdisse uma cilada
vi-me com tão pouca coisa
depois do que tanto amei

Rasguei o teu sorriso
quatro vezes foi preciso
por não precisares de mim
e depois, quando dormias
fiuz de conta que fugias
e que eu não ficava assim
nesta dor em que me vejo
do nos ver quase no fim

Foste como quem lançasse as armadilhas
que se lançam aos amantes
quando amar foi coisa em vão
foste como quem vestisse as mascarilhas
dos embustes que se tramam
ao cair da escuridão

Resgatei o teu carinho
quatro vezes fiz o ninho
num beiral do teu jardim
e depois, já em cuidado
vi no teu espelho do passado
a tua imagem de mim
e esta dor em que me vejo
de nos ver quase no fim

Foste como quem cumprisse uma vingança
que guardavas às escuras
esperando a sua vez
foste como quem me desse uma bonança
fraquejando à tempestade
de tão frágil que se fez

Resgatei o teu ciúme
quatro vezes deitei lume
ao teu corpo de marfim
e depois, como uma espada
pousei na terra queimada
o meu ramo de alecrim
e esta dor em que me vejo
de nos ver perto do fim.

Sérgio Godinho, in Na Vida Real

publicado por Andre às 17:25
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Anónimo a 29 de Março de 2004 às 19:18
De facto o Sergio Godinho é um grande senhor da música... Vi um concerto dele faz 2 anos e foi fantastico...Adivinha!
(http:adivinha.blogs.sapo.pt)
(mailto:aromero21@sapo.pt)

Comentar post

.Andrei

.Busca!

 

.Compadres

.Visitantes

free counter