Expressão muito alentejana que significa "basta" ou "já chega". Espaço de liberdade. Galeria de arte pública.

.Ultimamente...

. Se quiserem...

. O verdadeiro amigo está s...

. Onde pára esta sangria?

. Pequim(ninos)

. No fundo, no fundo...

.Sótão

Quarta-feira, 28 de Abril de 2004

A questão das energias alternativas

purplea.jpg
Este assunto, referido hoje na Radio Pax, a propósito das interrogações da Quercus acerca do projecto para a central fotovoltaica de Moura, deu-me o empurrão para uma achega sobre esta questão que já me fazia comichão há algum tempo:

Tendo Portugal (e principalmente o Alentejo e Algarve) um número de horas de exposição solar elevado e dada a nossa tão grande dependência da importação de energia eléctrica, muita gente saudou o Governo central quando, há cerca de um ano atrás, foi introduzida no cálculo do Imposto sobre rendimento das pessoas singulares - IRS, a possibilidade de dedução à colecta das importâncias despendidas com aquisição de equipamentos novos para utilização de energias renováveis e equipamentos para a produção de energia eléctrica e/ou térmica que consumam gás natural.

Estes equipamentos, não susceptíveis de serem considerados custos na categoria B, seriam considerados em 30% dos encargos com um limite de 700 Euros em 2003 e 714 Euros em 2004.

Porém, esta dedução É AVALIADA EM CONJUNTO com as deduções de 30% dos encargos com um limite de 538,55 Euros (para 2004) dos juros e amortizações de dívidas contraídas com a aquisição, construção ou beneficiação de imóveis para habitação própria e permanente DE FORMA NÃO CUMULATIVA.

Isto é, se um contribuinte ou um casal de contribuintes estiver a pagar um empréstimo da sua habitação, situação que é das mais normais, e resolver instalar um colector solar para água quente na sua casa, acaba por não beneficiar de qualquer incentivo fiscal pelo investimento que está a fazer, pois ao estar a deduzir os juros e amortizações da habitação, o incentivo fiscal às energias renováveis já não é contabilizado.

E mais, por agora, não digo...

publicado por Andre às 16:55
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Anónimo a 29 de Abril de 2004 às 01:38
Fico a aguardar o que tens ainda para dizer...Luis Dinis
</a>
(mailto:)

Comentar post