Expressão muito alentejana que significa "basta" ou "já chega". Espaço de liberdade. Galeria de arte pública.

.Ultimamente...

. Se quiserem...

. O verdadeiro amigo está s...

. Onde pára esta sangria?

. Pequim(ninos)

. No fundo, no fundo...

.Sótão

Sábado, 24 de Julho de 2004

MatildeVI - Dois amantes

110704.jpg
Dois amantes felizes fazem um só pão, são uma só gota de lua na erva, deixam, ao andar, duas sombras que se fundem, deixam um só sulco na cama.

De todas as verdades, escolheram o dia, não se ataram com cordas, mas com aromas e não despedaçaram a paz nem as palavras.

O ar e o vinho vão com os dois amantes, a noite oferece-lhes as suas pétalas brilhantes e acolhe-os no seu regaço.

Dois amantes felizes não têm fim nem morte. Nascem e morrem muitas vezes enquanto vivem e têm a eternidade da Natureza.
publicado por Andre às 12:27
link do post | comentar | favorito
6 comentários:
De Anónimo a 28 de Julho de 2004 às 09:15
:-)Maria
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 27 de Julho de 2004 às 22:03
Obrigado pelo incentivo! Beijinhos, Maria.André
(http://temavondo.blogs.sapo.pt)
(mailto:andre.claudio@mail.pt)
De Anónimo a 27 de Julho de 2004 às 09:47
Olá André!

Não há "motivos" para agradecimentos, penso eu.

Para mim já constitui um ritual passar por aqui e ver o que há de novo e é com satisfação que verifico que existe sempre algo que nos faz ter vontade de regressar.

Para além do afecto que se vai criando em torno da "coisa" (e claro de quem escreve) há que contar também com a dînâmica que é imposta ao blog, o que, na minha opinião, pode ser um dos motivos do seu sucesso junto daqueles que o visitam.

Concordo inteiramente com a questão da clarificação de ideias: não há nada melhor do que escrever para perceber afinal o que vai na nossa cabeça e quando se dá conta, apercebemo-nos que vai sempre muito mais do que aquilo que se estava inicialmente à espera.

Por outro lado, não é ilusão: há pessoas mesmo interessadas naquilo que dizes.

Já agora, gostei da referência ao Carlos Paredes. Uma das minhas recordações mais antigas de infância é precisamente a de um concerto dele cá em Beja a que assisti com o meu pai e a minha irmã. Na altura estava um pouco admirada com a solenidade do que ali se estava a passar, mas lembro-me que gostei e que, apesar da idade (ou falta dela) passei um bom bocado, a música transmitia algo que eu não percebia, mas que gostava. Não conheço bem a obra dele (estou a pensar alterar essa situação!!!), mas a minha música favorita é a dos "verdes-anos", um verdadeiro hino!.

Fica bem,

Maria.Maria
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 26 de Julho de 2004 às 21:05
Obrigado, maria e porta-chaves, pelo vosso interesse nestes textos. É deveras curioso para mim haver alguém que lê com a regularidade de que falas, maria, estas nossas catarses, desabafos, gritos escritos, parvoíces. não creio ser precisa coragem para o fazer, isto é um acto de puro egoísmo, pois isto faz-te sentir bem, outras vezes ajuda a clarificar idéias e outras cria-te a ilusão de que alguém se vai interessar pelas tuas ideias quando não encontras ninguém para as partilhar. Obrigado por estarem aí!André
(http://temavondo.blogs.sapo.pt)
(mailto:andre.claudio@mail.pt)
De Anónimo a 26 de Julho de 2004 às 15:26
Bem, a minha mensagem nada tem a ver com o "tema", mas serve apenas para dizer algo que talvez quem esteja no lado do "autor" já o saiba e que tem a ver com o "bichinho" que se instala naqueles que costumam seguir aquilo que é escrito neste blog (ou noutros).
Mesmo que não se comente aquilo que é escrito, existe sempre um enorme gosto em acompanhar o percurso de quem se lança numa aventura como estas.
Penso que é preciso muita coragem, mas o "reverso da medalha" (no bom sentido) é que sem que se saiba e sem que se conheça, em muitos casos, quem são os leitores, se consiga ganhar um "universo" de amigos, de pessoas que se interessam e que seguem a(s) história(s) que vai(ão) sendo escrita(s).
Tal como se fosse um bom livro que é lido por muita gente que, depois, o comenta e o discute, acompanhando o evoluir das "personagens" e sente as "mesmas dores": que se ri com elas (e muito, por vezes), quando é caso disso, e que se questiona sobre mesmos temas-alvo.
Para mim e para outros amigos que tenho é uma grande "mais-valia" e é óbvio entender porquê...

Espero que continues.

Maria.Maria
</a>
(mailto:castelodebeja@hotmail.com)
De Anónimo a 24 de Julho de 2004 às 13:27
Se não sou totalmente lerda,transcreveste aqui partes de um livro de Neruda, né? Nunca li nada dele, mas ao ver isto tive a curiosidade de ir ver quem era.Vou tentar aproveitar as minhas férias para ler algo desse senhor.Eu que me questionava, afinal qual o interesse dos blogs? Ja sei, hehehe , para mim puxa pela minha curiosidade vir ler o que vocês aqui colocam.Estamos sempre a aprender...
Xauzinho, boas férias se as tiverem, senão coragem para quem trabalha, eu vou ajudar moralmente, ta?Porta-chaves
</a>
(mailto:)

Comentar post